A Graça nos consolida no Reino


Quem tiver a mente do Reino e o entendimento da Graça, com certeza tem uma vida sem peso. O maior absurdo da história teológica foi o discurso hipérbole de que a Graça absolve tudo e que todos podem fazer o que quiserem. Eu não posso ver a Graça como um elemento solto, que utilizo na hora que achar que preciso, nem como um pincel que usarei para pintar o sete.


A Graça foi dada para que meu entendimento de quem é Jesus, o Seu REINO e os Seus princípios se alargassem em mim, e não apequenassem a vida de Deus no meu testemunho. Analisando os discursos paralelos sobre Graça, totalmente fora do Modelo que Jesus e Paulo ensinavam, como é fácil carnalizar uma pessoa e como se paga preço para se manter em santidade. Conheço muitos segmentos, dos mais tradicionais ao neopentecostalismo, nos quais o ensino sobre Graça é modelado no que Jesus fez no calvário e não na ação do homem confrontando a cruz de Cristo. O Evangelho da Graça nos consolida no Reino e não o contrário: Nos colocar distantes de Jesus no caminho, por uma rota que Ele não nos autorizou.