A Industrialização da Graça


“Mas de nada faço questão, nem tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.” (Atos 20:24)


Fico observando a teologia “da graça” superfaturada, a SUPER GRAÇA. Lógico que cada um tem sua liberdade de hermeneutizar os textos, mas não pode se dar o luxo de não heregizar o contexto. Muitos estão falando bobagens no afã de tentar trazer novidades. A indústria da graça cresceu e muitos estão comprando esse “produto”. Me perdoem a irreverência na escrita: Muitos não estão respeitando nem Deus nem Seu Plano. É estarrecedor, violento, escarnecedor e desrespeitoso, como alguns achincalham a visão do calvário. Industrializaram a graça e estão buscando os clientes. Onde? Nas mídias sociais! Muitos viraram perturbadores do bem e da ordem, e alteram a verdade central da batalha. “Passarão os céus e a terra, mas minhas palavras não passarão.” (Mateus 24:35)