O Homem de Dores – abrindo meu coração


“… e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.” (Isaías 53:3b)


Foi desafiador escrever 30 dias sobre o Homem de Dores. Confesso que tive experiências poderosas com o Espírito Santo e muita assimilação no mundo espiritual do quanto vale entender essa chamada de responsabilidade: Tomar a dor do outro. Interpretar a mente de Cristo e captar o que o mundo espiritual está falando não foi, não é e não será tarefa fácil. Os meus discípulos conhecem minha integridade e a verdade que meu coração expressa. Minha primeira escola é Batista, de tradição; não costumo nunca, até aqui, dizer que vi algo quando não vi, que estou sentindo algo quando não senti e que Deus falou quando não disse nada. Sou da doutrina límpida: Conte o sonho como sonho. “O profeta que tem um sonho conte o sonho; e aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra com verdade. Que tem a palha com o trigo? Diz o Senhor. Porventura a minha palavra não é como o fogo, diz o Senhor, e como um martelo que esmiúça a pedra? Portanto, eis que eu sou contra os profetas, diz o Senhor, que furtam as minhas palavras, cada um ao seu próximo.” (Jeremias 23:28-30)


Nunca vi alguém falar sobre este tema Homem de Dores e ser intenso por 30 dias. Na verdade, este ano, decidi enfatizar o Evangelho pelo Evangelho, trazendo a Igreja a viver o Evangelho sem fermento, como nos primeiros dias dos Encontros, que com ministrações devocionais tocamos uma geração inteira e muitos ministérios e vidas foram restaurados. Avançando nesse propósito, o que mais importa na vida de um homem do Evangelho é falar do Evangelho. Jesus se tornou o Homem de Dores, o Homem do Calvário, devido sua conduta límpida, de não aceitação do século presente e por levar a mensagem mais com a vida do que com a voz. As atitudes eram seu Evangelho, sua voz era a testificação do seu bom testemunho. “E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina; porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas.” (Mateus 7:28,29)


Escrevendo as Séries Homem do Calvário e Homem de Dores, muitas vezes me apanhei reflexivo e chorando, pois você que é transmissor, pregador, mensageiro, ministrador, comunicador dessa verdade, se for indiferente, você não é um discípulo, é um profissional do “falso evangelho”, ou um mero contador de história. Se envolver com a mensagem do Evangelho e se emocionar com seu conteúdo é mostrar que essa mensagem continua viva no seu espírito e é o que governa o seu caráter. O Homem de Dores, o mais experimentado em sofrimento, é o Grande Intercessor da humanidade e, com absoluta certeza, você vai continuar desfrutando desses milagres que Ele conquistou no passado, que ultrapassam nosso presente e ecoam no nosso futuro. Eu não sei quais são as dores e crises que você enfrenta, mas uma coisa eu sei: Tudo que você precisa hoje foi conquistado onde o direito da fé acionada fará de você um experienciador da conquista do Homem de Dores. Ao Seu Nome seja a Glória!


Renê Terra Nova

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram