Minha mente, uma geografia desejada pelo Senhor (Parte 6)


“Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.” (1 Coríntios 2:16)


Você é um privilegiado por ser a geografia exclusiva de Deus. Ele escolheu você para que a vida dEle fosse integralmente consolidada no seu espírito. Somos o santuário dEle, a casa preferida do Senhor, onde Ele decidiu viver e colocar a Sua vida na nossa vida. o resultado desse milagre é que Ele nos eternizou. Ele nos fez Sua residência e decidiu viver dentro de nós. Agora, é plenamente incongruente sermos essa geografia poderosa e desejarmos viver uma vida que não representa o Rei e Seu Reino. Muitos decidiriam por uma vida dúbia, negar essa geografia santa, na qual a vida de Deus não reflete no seu caráter, e as atitudes provam que Ele não é o Senhor dessas vidas. Isso é um julgamento? Não! Pois, pelos frutos se conhece a árvore e uma árvore frutífera não entrega frutos venenosos.


“Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.” (Mateus 7:16-20)


Ser um território para Deus é um poderoso testemunho, e possuir a mente de Cristo é um espetacular projeto divino. Somos uma geografia de bons testemunhos, em que os furtos devem ser da mesma árvore. O ensino de Jesus é claro: Só se conhece a árvore pelo fruto e, também, se deve avaliar a vida do homem de Deus pelos resultados. Ele mesmo adverte que, por sermos a geografia dEle, não podemos plantar qualquer semente na mente nem sermos qualquer resultado onde vivemos. Ele é a Videira e, nós, somos os frutos dessa proposta. Ele chega a dizer que se você estiver dando um resultado diferente, estará desonrando a proposta para a que Ele criou você para ser, que é ser frutífero. Imagina um território extremamente fértil, adequadamente preparado para cumprir sua missão e na hora do resultado mentir seu fruto? É isso que Jesus está ensinado para que as nossas geografas não sejam desperdiçadas nem andemos equivocados na chamada que Ele nos fez. Jesus adverte:


“Portanto, pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.” (Mateus 7:20-23)


Nessa onda de ensinos sobre a super graça ou a graça superfaturada que estão colocando no calvário uma dívida que não é de Jesus, é de invenção humana, vemos muitos imaturos na fé, sendo conduzidos por qualquer vento de doutrina, e alguns querendo discutir teologia da justificativa quando se esqueceram da teologia da JUSTIFICAÇÃO. Se nós somos a habitação do Senhor, a casa de Deus, o templo do Espírito Santo, edifício do Todo-Poderoso, a geografia do Eterno e o território santo, por que não nos apossamos desses direitos e vivemos DIREITO?


Muitos estão confusos com tantos sopros estranhos que acabam entrando nesse ciclone espiritual e não se saem bem, depois de serem jogados de um lado para o outro. Somos uma geografia sagrada, nossa mente foi regenerada para que a vida de Deus seja plena em nós. Somos loucos se desejamos além do que a Bíblia promete, mas não seremos ignorantes de não nos apossarmos do que a Bíblia nos garante. Somos uma construção de Deus na terra! Possuímos, na nossa mente, uma geografia santa. “Porquanto nós somos colaboradores de Deus; vós sois a lavoura de Deus e edifício de Deus. Esse é o dever dos ministros de Cristo.” (1 Coríntios 3:9)


Renê Terra Nova

0 visualização0 comentário