O Evangelho da nossa Salvação (1)


“Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa.” (Efésios 1:13)


O Evangelho de Cristo salva o homem e nos sela com a promessa de uma vida abundante. Não posso crer que existam pessoas que não sejam transformadas cabalmente depois de ouvirem a verdade e se renderam a ela. Qual o poder da verdade? Libertar, Curar, Restaurar, Restituir. A verdade nem precisa se justificar, quando ela chega as trevas se desfazem e as coisas que nos cercam ganham brilho. Quando Paulo ensina a Igreja de Jesus que congrega em Éfeso, ele mostra o poder do Evangelho, e a diferença está na Palavra da verdade. Paulo aqui discute e apresenta a visão de Jesus para libertação de um povo; ninguém será pleno nEle se os argumentos estiverem prendendo a mente e anulando a ação de Deus no espírito. Muitos estão bloqueados, por causa da lei do pecado que escravizou o indivíduo. “Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre.36. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” (João 8:34,35)

Paulo apresenta a limpidez do Evangelho, o Evangelho que salva, não só da condenação eterna, mas salva-nos de nós mesmos, dos nossos pensamentos pecaminosos (imorais), da nossa natureza ruim, dos nossos descaminhos, da linguagem corrompida e nossos atos condenáveis. Esse é o Evangelho da Salvação que nos salva também de situações e catástrofes, pela mente renovada e pelo desejo de realizar coisas grandes não só em nós mesmos, mas com aqueles que passam pelas nossas vidas. O Evangelho que nos salva dos julgamentos que fazemos, e como facilmente eliminamos as pessoas das nossas vidas, sem critérios. Este é o Evangelho de Cristo, o Evangelho da nossa Salvação.


Mas, o Evangelho da Salvação é para quem crê e absorve a doutrina de CRISTO. Nesse contexto, Paulo está ensinando a uma Igreja que deixou o gnosticismo visitar a mente dos fiéis com muito engano, carnalidade, sofismas, fortalezas no entendimento, elucubrações metais e até interrogação sobre o Espírito. Paulo os exorta e os traz para o Evangelho de CRISTO, para que a vida de Deus pudesse se expandir neles. Uma Igreja que adotou a filosofia como estilo de vida, um areópago de pensamentos plurais que contrariava a doutrina do Senhor. Então, o Evangelho de Cristo vem em confronto e provoca uma libertação coletiva e uma salvação individual. O ensino da Palavra muda o raciocínio da Igreja. Hoje, com essas ideologias, muitos de nós somos neo-efesiólogos, quando as narrativas estão roubando o lugar da verdade e não estamos nos dando conta de que se não nos posicionarmos, seremos saqueados de nós mesmos, da família, da pátria, das pessoas que amamos e, claro, da eternidade. Assim como a visão apostólica paulina devolveu a essência da Igreja, voltando ao Evangelho de Cristo, que possamos manter a mesma conduta e retrocedermos nos pensamentos de natureza pecaminosa, e voltarmos aos princípios do Evangelho limpo, o Evangelho da nossa Salvação, e sermos selados com o Espírito Santo da promessa.


Continua...


Renê Terra Nova

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram