O Evangelho pelo Evangelho


“Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro Evangelho.” (Gálatas 1:6)


Uma das maiores preocupações do Apóstolo Paulo estava na disseminação do sincretismo religioso dentro da Igreja – um envenenamento e contaminação dos valores sagrados. Naquela época, já havia muitos modelos de evangelho sendo pregados, e olha que não havia internet! Paulo teve que se posicionar: “... ainda que seja fosse por inveja, contanto que o evangelho seja anunciado.” “Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e contenda, mas outros de boa vontade; uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões. Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda.” (Filipenses 1:15-18). Mas, no contexto de invencionices e infantilidades, precisava dar um basta. Paulo alerta à Igreja de Felipo que estava contaminada com certos tipos de pregadores que faziam suas doutrinas e seus modismos. Era muita coisa na mente da Igreja, doutrinas essas que não traziam edificação. O cuidado com o que se ouve e principalmente a quem ouvimos é fundamental para evitar os lixos tóxicos. Temos uma só mente, não podemos deixar entrar qualquer conteúdo.


Não estamos eximindo as correntes teológicas, algumas são importantíssimas para nosso crescimento, mas a prudência no conteúdo que está sendo apresentado precisa de muita cautela, pois há muita mentira no lugar da verdade. Precisamos de filtro e, claro, muita visão bereana, se não quisermos cair no engodo de Satanás. O Evangelho pelo Evangelho envolve alguns fatores, principalmente:


1. A essência que Jesus pregou.


2. Os 4 Evangelhos registraram com propriedade a mensagem do Messias.


3. A visão clara de Paulo, como líder da Igreja Apostólica, principalmente no mundo gentílico.


São 3 ferramentas que se usarmos na pregação legítima da Palavra Viva não se encontrará erros na doutrina.


Se nos responsabilizarmos em fé, com certeza, não iremos errar na rota nem colocar uma palavra inoportuna nos lábios. A maneira como anunciamos o Evangelho tem a ver com o estilo de vida que estamos vivendo. Não podemos parar de viver a essência de Deus nem paralisar o conteúdo de Cristo em nós. Uma pessoa cheia de Deus está com a habilidade necessária para ser um mensageiro de Cristo alinhado com Sua Palavra e promessa. Não estamos pautando conhecimento exacerbado, estamos nos valendo da experiência e responsabilidade com o Nome que está sendo anunciado, JESUS. Esses dias, nossa mente e coração entrarão em ordem, através de muito conteúdo da verdade de Deus.


O Evangelho pelo Evangelho é entender que por mais que nos ensinem coisas maravilhosas, se não vem de Jesus, é anátema. “Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho; o qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? Ou procuro agradar a homens? Porque se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.” (Gálatas 1:6-10)


Renê Terra Nova

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram